Nutrientes e sabores escondidos

Alguém já provou milho doce? É doce mesmo, daqueles que se pode comer cru!!!!
Comprei trinta espigas de milho doce e ao chegar em casa, coloquei água de boa procedência para aferventá-los.

Muitas vezes prefiro usar menos água, e ferver poucas espigas de cada vez, para ter uma água mais concentrada, já que o processo de ferver as espigas para congelar é de uns 5 minutos.

Fervi todas as espigas e o cheirinho que se espalhava pela casa era simplesmente maravilhoso; dava vontade de comer o ar que saía da panela!!!

Foi aí que pensei que deveria usar aquela água para outras preparações!
Deixei esfriar,  passei numa peneira e guardei numa jarra na geladeira.

Com essa água, preparei pão, arroz, sopa de abóbora cabotiá e só não fiz mais coisas porque  acabou…

O resultado foi mesmo excelente! O sabor do milho doce se fazia sentir. Emanava da preparação e preenchia não só as aspirações gustativas, mas dava um sentimento de casa de mãe, ou de vó, ou de alguém de nossa infância.

No dia seguinte, ao cozinhar carne seca, percebi que poderia guardar o líquido do cozimento.
Retirei a carne já cozida, coloquei o líquido numa tigela e deixei esfriar. Dessa forma toda a gordura do caldo, já havia se solidificado. Retirei com uma escumadeira a gordura e descartei; coloquei o caldo em vasilhas quadradas, (que acomodam melhor no freezer). Uma vez congelado, retirei para um plástico de congelamento devidamente etiquetado, e está lá, guardado para quando se apresente a necessidade ou a vontade.

Claro que podemos usar esse artifício com toda água de cozimento de batatas, bacalhau, mandioca, legumes, ou o que quer que se tenha cozinhado na água ou mesmo no vapor.Quando o líquido for de origem animal, recomendo o congelamento. Quando for de legumes, ou verduras, pode-se deixar numa jarra na geladeira mesmo e ir utilizando na medida da necessidade.

Lembrando apenas que a água do cozimento do espinafre não deve ser utilizada, pois contém excesso de enxofre.

E se voce vier me fazer uma visita, pode ser que saia uma sopa de cabotiá com caldo de carne seca, que tal?

 

 

Anúncios
Esse post foi publicado em Dicas, experiências, receita sem glúten, Uncategorized e marcado , , , . Guardar link permanente.

3 respostas para Nutrientes e sabores escondidos

  1. Livia disse:

    mas, quando se ferve milho ou legumes, no caldo, não ficam as bactérias que saíram justamente devido ao cozimento ? #duvidadeprincipiante

    • baudavoeli disse:

      Há muito mais conhecimento entre o céu é a terra do que possa imaginar nossa vã filosofia, Lívia!
      Penso eu que, se as bactérias presentes no milho por exemplo, fossem tão ameaçadoras, ao comermos milho crú, seríamos acometidos de uma super diarreia!!!!
      Claro que a higiene é fundamental, mas isso não significa viver de modo absolutamente esterilizado.
      Para mim, a fervura ou o cozimento do alimento destroem o indesejável.
      Além de que, nosso organismo precisa de alguns agentes externos para ser fortalecido.
      Será que, se essas “bactérias” fossem assim tão perigosa para nossa saúde, os crudívoros sobreviveriam?
      Grande abraço e obrigada por prestigiar esse espaço!!!

  2. Livia disse:

    realmente vc esta certa. é que na minha mente eu imaginava que com a fervura todas as bactérias ficavam lá mortas, boiando, e sempre jogava essa agua fora pensando nisso kkkkk

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s